RETROSPECTIVA 2020

É notável a grande movimentação de Inaturalistas observada na Região Hidrográfica da Baía de Guanabara em 2020:

  • De um total geral de 42.875 (todos os anos) observações realizada por 2.264 usuários tivemos
    em 2020 um total de 11.202 (26%) observações realizadas por 1.137 usuários (50%).

  • De um total de 7.034 espécies identificadas, 2.711 (39%) foram identificadas pela primeira vez ou novamente identificadas em 2020.
Monitorando a atividade de 07 a 31 de dezembro verificamos que n Região Hidrográfica em média:
  • ocorreram 47 novas observações por dia;
  • foram identificadas 9 novas espécies (no ano) por dia, entre elas novas no geral ou reidentificações);
  • ingressaram no Região Hidrográfica por dia 3 novos usuários, dentre eles turistas e novatos.
No total geral a distribuição das observações entre os Municípios da Região Hidrográfica mostra uma grande disparidade: Dados extraídos do projeto em 01/01/2021 9 horas:
  • Rio de Janeiro: 17.204 observações (40%):
  • Cachoeiro de Macacu: 11.012 observações (26%);
  • Nova Iguaçu e Mesquita: 6.778 observações (16%);
  • Petrópolis: 4.087 observações (10%);
  • Niterói: 1.374 observações (03%);
  • Duque de Caxias: 952 observações (2,2%);
  • Guapimirim: 558 observações (1,3%);
  • Magé: 228 observações (0,6%);
  • Itaboraí: 196 observações (0,5%);
  • Belford Roxo: 189 observações (0,4%);
  • São Gonçalo: 159 observações (0,4%);
  • São João de Meriti: 40 observações (0,1%);
  • Rio Bonito: 33 observações (0,1%);
  • Nilópolis: 28 observações (0.1%); e
  • Tanguá: 06 observações (0,0%).

A distribuição total (2020 e anos anteriores) você encontra no projeto:
https://www.inaturalist.org/projects/biodiversidade-nos-municipios-da-regiao-hidrogrfica-da-baia-de-guanabara-rj-brasil

Identificamos também que o PN da Tijuca é um dos campeões de observações, 3 que o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, o PN da Serra dos Órgãos, a REGUA e o PE de Três Picos tem expressivo quantitativo de observações em ambientes nativos da rica Mata Atlântica.
Um exemplo a ser divulgado é o projeto do Jeanpaul: REGUA Biodiversity Celebration com quase 10 mil observações.
Cada um de nós deve escolher uma UC ou Parque e iniciar um levantamento destes com apoio do Inaturalist.

As áreas urbanas comportam a maioria das observações, com destaque para os jardins residenciais e parques urbanos, como o Parque do Flamengo, o PARNIT, o caminho do Bem-te-vi e vários outros mesclando organismos nativos e exóticos, assim como, plantados e selvagens.

Os manguezais, que são um ecossistema fundamental para o equilíbrio ecológico da Baía de Guanabara, quase não tem registros.
Também faltam registros subaquáticos de organismos marinhos na Baía de Guanabara e de lagoas costeiras.

Que em 2021 possamos ampliar as observações nos diferentes Municípios e nos diferentes ecossistemas da megabiodiversa Região Hidrográfica da Baía de Guanabara.

Instituto Baía de Guanabara

P.S.: Alteramos o período do Projeto no Inaturalist para 01 de janeiro de 2020 a 31 de março de 2021, objetivando registrar a atividade nos meses anteriores ao Desafio Mundial.

Posted by ericfischerrempe ericfischerrempe, January 01, 2021 12:32

Comments

No comments yet.

Add a Comment

Sign In or Sign Up to add comments